Aos beijos e abraços, quase como em um almoço familiar de domingo: assim os participantes do Social Gastronomy Summit Rio 2018 foram recebidos no Projeto Diamantes na Cozinha. A iniciativa, localizada no Méier, forma alunos em vulnerabilidade social em empreendedorismo e gastronomia. Neste domingo (04/11), ele recebeu uma das jornadas de aprendizado – experiência de imersão em projetos existentes no Rio de Janeiro – que aconteceram no primeiro dia do Summit organizado pela Gastromotiva. E foi encontrado como sempre tenta estar: de portas abertas.

Na busca por impactar vidas, João Diamante (criador do projeto) após um período de trabalho na França voltou para o Brasil procurando dar o devido valor à comida de seu país. Nasce, então, o Diamantes na Cozinha, com seu lema “Um por todos e todos pela comida brasileira”. A ação trabalha na formação pessoal dos participantes em conjunto com o conhecimento gastronômico. “Aqui a gente não quer só construir pessoas que cozinham, mas pessoas que cozinham e transformam vidas”, disse Raphaela Nezinho, ex-aluna do projeto.

Já com os aprendizados em prática, os alunos da turma atual apresentaram seus pequenos empreendimentos. De brigadeiro a empadinhas, comida foi o que não faltou. Em busca de novas oportunidades, o empreendedorismo tem se mostrado como a chave de uma nova realidade para muitos. Uma pesquisa do Sebrae (GEM 2017) revelou que 59% dos brasileiros buscam uma oportunidade para empreender. E é pensando nisso que o Diamantes na Cozinha existe.

Priscila Santana e Raphaela Nezinho, ex-alunas do projeto que agora possuem um buffet juntas, são o case de sucesso do projeto. “O aprendizado não acabou quando a gente se formou”, disse Raphaela. Para Priscila, a iniciativa foi uma coincidência – ao entrar na turma, incentivada pelo marido, estava prestes a desistir da gastronomia. Hoje, por meio do projeto e em conjunto com a amiga, encontrou um novo sonho.

A realidade de ambas é uma exceção à regra. Na cozinha do Diamantes, elas encontraram o que poucos encontram: oportunidade. Durante a jornada de aprendizado, os participantes do Summit debateram a necessidade de incentivar estes pequenos produtores. Para isso, a comunidade deve trabalhar em conjunto.  “Enxergar que várias pessoas têm o mesmo pensamento que o seu, seja pela gastronomia, seja pelo social, é o mais importante”, concluiu João Diamante.

Texto: Júlia Pontes

Fotos: Eduardo Almeida